Thursday, 20 December 2018

PARIS - DAY 1

Como celebração dos nossos treze anos de namoro, um ano de noivado e outras conquistas nossas durante este ano, decidimos acabar o ano com uma viagem. Não é que sejam precisas grandes desculpas para pegar nas coisinhas e ir, mas achámos que esta seria a melhor forma de acabar 2018! Confesso que já andava a desesperar por uma escapadinha desde Amsterdão. Fomos, por isso, a Paris! 
Há muito que queríamos conhecer Paris. E eu tinha expectativas elevadas senhores. Achava que dificilmente destronava Londres e Roma (as minhas cidades europeias preferidas), mas escalou facilmente para a minha cidade europeia favorita ali taco a taco com Londres talvez? Não consigo bem decidir, e geralmente tenho facilidade nestes tops! 

Começando pelo início, reservamos cinco dias quatro noites no hotel Mercure Paris Centre Tour Eiffel. É um hotel quatro estrelas (que não sinto que as mereça) mas era extremamente central e tinha uma vista muito bonita para a Torre Eiffel (que me esqueci de tirar foto). Um dos pontos altos foi realmente dormir com as cortinas abertas e ter as luzes da Torre sempre ali. 
Na altura das reservas, optámos por ter o pequeno almoço incluído na estadia e não nos arrependemos. Primeiro era bastante bom, segundo sou muito rabugenta de manhã para andar à procura de pequeno almoço na rua de estômago vazio e, por fim, do que vimos dos cafés à volta, sai-nos um preço razoável.
O nosso voo foi extremamente cedo - tentamos sempre fazer isso para aproveitar o dia todo e não termos de pagar uma noite - por isso voámos para Paris às 5.30 da manhã de terça-feira. O que significa que não dormimos nada já que passei o dia a experimentar vestidos de noiva e não fiz mala nenhuma a não ser à noite ahah!

Quando chegámos ao aeroporto apanhámos o comboio para o Centro de Paris e Metro. A rede de transporte de Paris é bastante complexa, por isso, aconselho a terem tudo planeado antes de irem. Os Ubers para o centro da cidade são muito caros, mas acho que se faz super bem de comboio e metro. Mal se chega à estação de comboios é só comprar um bilhete que diz algo do género - Paris centro - e dá para as duas coisas e custa cerca de dez euros se não me falha a memória. A parte menos boa é que demora cerca de 50 minutos a uma hora a chegar ao centro de Paris. 

Relativamente a transportes: há quem opte pelo passe que, para além de ter os transportes, ainda tem algumas entradas em museus e, por exemplo, a subida a Torre Eiffel incluída. Contudo, nós achámos que não valia a pena. Primeiro porque andamos muito a pé (cerca de 20 km por dia) e depois porque gostamos de ver o que vamos fazer à medida que andamos numa cidade. Como não há malucos como nós para andar, se acharem que vos sai em conta, tendo em conta o que pretendem fazer, é só pesquisarem por esses combinados de metro e entradas em atrações! 
Assim, das vezes que realmente estávamos muito longe daquilo que queríamos ver ou se já tivéssemos andado muito nesse dia e, por isso, em vez de andar já nos estávamos a arrastar  comprávamos só um bilhete de ida e volta no metro. 
Os transportes funcionam bastante bem, são rápidos e vêm com frequência. Um plus para quem anda de transportes em Lisboa ahah!

No primeiro dia explorámos a zona da Torre Eiffel que ficava bastante próxima do nosso hotel. Passámos pela ponte Alexandre III com uma vista tão bonita para o rio Sena onde ficámos algum tempo a desfrutar da vista.
Almoçámos num italiano perto do nosso hotel, bastante bom, com um ambiente acolhedor, tipicamente italiano e com um preço razoável - porque em Paris é tudo muito caro - Botre Damme Le Depart. 
Depois do almoço passámos pela zona tão bonita do Hotel dês Invalides construído por Louis XIV e seguimos caminho para explorar o quarteirão de Champ-Elysées. 
Uma das coisas que mais adorei em Paris é que é tudo tão bonito de se ver. É fácil nos perdermos a olhar para todo o lado e ficar só a absorver a arquitectura, a música de fundo e os artistas de rua. Foi das coisas que mais gostei. 
Paris tinha muitos turistas (como calculo que tenha durante o ano todo), mas como é uma cidade tão aberta e com as ruas tão largas, não tinha aquela sensação que estava tudo no mesmo sítio a uns dez centímetros de mim como em Londres sabem? Chegava a parecer silenciosa. Aquele ruído tranquilo de fundo. Confesso que sou uma pessoa de grandes cidades e de movimento, mas também gosto de sentir que não estou no meio da confusão para apreciar tudo sabem? Aqui era fácil sentir isso. 
Depois de passar pela Ponte Alexandre III, seguimos então para a super famosa Avenue des Champs-Elysées, uma das zonas mais populares, bonitas e enormes de Paris - esta avenida vai desde a praça de La Concorde a Charles de Gaulle - e podemos encontrar o Petit Palais, a linda Avenida Montaigne  conhecida essencialmente pelos hotéis, cafés e lojas mais luxuosas - como Dior, Chanel, Prada, Celine todas essas e que estava linda linda decorada com luzes de Natal! 
Nesta avenida Champ-Elysées fica o edifício da Louis Vuitton - Em Paris encontram-se n lojas da Louis Vuitton mas é nesta avenida que fica o maior edifício. Como calculo que saibam, a Louis Vuitton é a maior marca francesa e bom, acho que aqui percebi porquê - as pessoas formavam fila para entrar na loja algo que eu nunca tinha visto! Entrámos também (antes da fila se ter formado até ahah!) - porque sou uma grande grande fã da marca - e realmente a loja vale super a pena de ser vista. - para quem aprecia obviamente - são andares e andares de malas, acessórios roupa de babar.
Uma das coisas que mais adorei foi a quantidade de cafés amorosos em cada esquina. Sou uma grande fã de café e as esplanadas são todas tão lindas e aquecidas que tornou-se um ritual para nós sentarmo-nos numa esplanada só a apreciar o que estava ao nosso redor. Acho que é das melhores coisas que se pode fazer em Paris. 
Esta avenida vai dar ao famoso Arco do Triunfo que tem sido uma das zonas onde se tem centralizado os recentes protestos em Paris. Algumas meninas perguntaram-me se nos sentíamos seguros em Paris e a resposta é sim! Penso que o que tem acontecido por lá é realmente mau (e vimos algumas lojas com vidros partidos e ruas um pouco danificadas mas nada daquilo que a televisão transmite!).
No sábado, dia de protestos, havia muitos polícias e carros de combate na rua, várias estações do metro estavam fechadas, mas andámos na rua sem qualquer problema e sem nos sentirmos inseguros. Nós não somos muito de deixar de irmos onde queremos por causa de episódios de terrorismo ou manifestações mais agressivas, contudo senti que muitas meninas estavam preocupadas com Paris por causa do terrorismo e manifestações. Posso vos dizer que nunca pensamos nisso quando vamos a algum lado! Da última vez que fomos a Londres algumas meninas também me tinham perguntado se estava tudo bem (foi depois do atropelamento na zona de Westminster) e a verdade é que se nos deixarmos afectar por essas coisas dificilmente saímos de casa não é? 
Claro claro que tínhamos de tirar foto à decoração da Dior - que se tornou só assim a melhor técnica de marketing para publicitar a marca - já que as pessoas fazem fila para tirar fotos nesta zona ahaha! Chegámos a ver pessoas a parar os carros super mal  parados (literalmente no meu da estrada) e  saírem para tirar foto. É um fenómeno só vos digo! :P
E assim facilmente passou o nosso primeiro dia. Seguimos para a zona do nosso hotel (onde tirei esta foto da Torre Eiffel) e fomos jantar a um asiático. Pois eu sei. Em França e comemos ao almoço italiano e ao jantar Asiático (chamava-se Happy Deli e era tão bom!!), mas a verdade é que eu e o Rafael não somos grandes fãs de comida Francesa. Primeiro, porque é altamente refinada e porque a maioria dos pratos são de carne (não consumimos carne há mais de um ano). Este foi dos pontos menos bons de Paris - sentimos alguma dificuldade em encontrar outras opções vegetarianas, mas nada que não se ultrapassasse em italianos e asiáticos! 
Tenho de dizer que não acreditava ser possível tirarem uma foto nossa em que só aparecesse metade da nossa cara e a vista à nossa volta. Não sei se já vos tinha dito, mas é algo recorrente nas nossas viagem quando pedimos para nos tirarem uma foto - fica sempre uma obra esquisita que parece uma montagem das nossas cabeças no photoshop. Quando o senhor nos estava a tirar esta, eu já me estava a rir só de pensar o que ia sair dali ahaha! Mas superou as expectativas - até a vou emoldurar em casa! 
Depois de jantar, fomos explorar a zona à noite perto da Torre Eiffel, onde havia algumas bancas com coisas doces (claro que tivemos de aproveitar não é verdade?). Uma coisa que não esperava ver era tanta concentração de vendedores de rua nesta zona (que são bastante bastante insistentes e às vezes até vos fazem barreira para vos mostrar as coisas - dica - não estabeleçam contacto visual, podem ser menos insistentes assim. Mas mesmo com menos insistência é um pouco incomodativo e aconselho à noite não levarem grandes coisas de valor à mostra. Houve um dia que levámos apenas a câmera ao ombro (sem a mochila) e levámos muitos olhares suspeitos que me fizeram esconder a câmera dentro do casaco. Irresponsabilidade nossa também, mas é melhor prevenir nestas coisas, por isso, fica a dica :)
Para as meninas que me foram perguntando o que tinha vestido  (principalmente o casaco) aqui ficam os detalhes:
Casaco: Mango (desta coleção) mas não encontro online - este é igual praticamente  | Camisola: H&M (aqui)  | Botas: Massimo Dutti (de há 2 séculos) | Jeans: Topshop | Boina: Asos

Espero que tenham gostado do primeiro post
SHARE:

7 comments

  1. Vocês formam um casal tão giro!

    ReplyDelete
  2. Como conseguiste essa LV? Há grande lista de espera em Lisboa. Compraste em Paris?

    ReplyDelete
  3. Everything is perfect in this post,
    you look absolutely amazing, the outfit was on point ♥

    xx
    Amira
    www.amirahayupratiwi.blogspot.com

    ReplyDelete
  4. Por esta altura a cidade deve estar mesmo com um brilho especial.:)

    Another Lovely Blog!, https://letrad.blogspot.com/

    ReplyDelete
  5. Paris is so magical! Beautiful photos.

    Anika | anikamay.co.uk

    ReplyDelete

Blogger Template Created by pipdig